Trade

Projeto de turismo comunitário tenta conter êxodo de quilombolas em MG

Uma das ambies do projeto da Rota dos Quilombos, que leva turistas ao Vale do Jequitinhonha –uma das regies mais pobres do pas, no nordeste de Minas Gerais–, gerar recursos para as comunidades locais para tentar reduzir o xodo de moradores.

A principal fonte de renda das famlias dos lugares por onde o tour passa a aposentadoria –e muitas so bastante dependentes de programas sociais do governo.

Existe, historicamente, uma migrao sazonal dos homens para So Paulo, para trabalhar nas plantaes de cana e caf. Sozinhas durante a maior parte do ano, as mulheres do vale comearam a ser chamadas de “vivas de maridos vivos”.

Mais recentemente, no entanto, esse fluxo para outros Estados foi engrossado por elas, que tambm levaram os filhos. O processo acaba esvaziando os quilombos –e ameaando sua cultura.

A historiadora Agda Moreira, uma das coordenadoras do programa, explica que, por ter como base a oralidade, o saber quilombola se enfraquece com a sada das novas geraes.

“Quando os jovens e os adultos saem, existe uma ruptura muito significativa. Mesmo aqueles que voltam se apropriam tanto da cultura urbana que no veem mais tanto sentido em participar das festas, das danas, da religiosidade”, afirma.

Rota dos Quilombos

ESTRUTURA

Por enquanto, as comunidades envolvidas no projeto no esto preparadas para oferecer pernoite. Por isso, a ideia que os turistas se hospedem nas cidades prximas –como Berilo, Chapada do Norte e Minas Novas– e passem o dia nos quilombos.

Voc pode ir at as comunidades com carro prprio ou, a melhor opo, contratar motoristas locais. Isso porque o caminho pode ter sinalizao complicada, e a estrada de terra no das melhores –na viagem que a Folha fez, uma chuva forte transformou a via em um lamaal e o carro atolou; a reportagem dormiu de forma improvisada em um dos quilombos.

O jornalista viajou a convite da Oi Futuro

*

ROTA DOS QUILOMBOS

INFORMAES E RESERVAS
Para informaes, contatos e reservas, preciso escrever para o e-mail do projeto, turismoquilombolamg@gmail.com. A pgina do Facebook “Agentes Quilombolas Socioambientais” tambm informa sobre o tour

QUANTO
Passeio de nove horas pelas comunidades custa entre R$ 260 e R$ 300 por pessoa, para grupos de at seis; inclui alimentao e monitor