Trade

Destinos escolhidos para passar as férias revelam traços da personalidade

Como tiramos frias revela muito sobre ns, e isso vai alm do clich sobre como os americanos vivem para trabalhar e os europeus trabalham para viver –porque eles tiram um ms inteiro de frias no vero.

Psiclogos da Universidade da Virgnia conversaram com estudantes do ensino mdio e descobriram que os introvertidos preferem as montanhas, enquanto os extrovertidos preferem o mar, relatou Arthur C. Brooks no “NYT”. Os pesquisadores tambm deduziram que aqueles que vivem em estados montanhosos so mais introvertidos do que os que vivem em reas baixas.

Outra pesquisa mostra que as pessoas so mais felizes quando esto planejando suas frias do que quando esto realmente viajando, especialmente se for uma viagem complicada que envolva detalhes estressantes.

“Somente as pessoas com viagens simples e descontradas parecem ter um ganho de felicidade”, escreveu Brooks. “Pense nisso como o Paradoxo das Frias: voc tem de escolher entre ser feliz antes ou depois. Desculpe.”

Firdia Lisnawati/Associated Press

Passageiros fazem fila em aeroporto de Bali, na Indonsia
Passageiros fazem fila em aeroporto de Bali, na Indonsia

Alguns preferem tirar frias em uma ilha. Pelo menos o caso do presidente Barack Obama.

Martha’s Vineyard, no litoral de Massachusetts, tem sido seu refgio de frias em agosto em seis dos ltimos sete anos, e os moradores se acostumaram a v-lo por ali. Inclusive, h menos paparazzi.

“A coisa se acalmou muito porque estamos agora habituados a v-lo por aqui”, disse Emily Roberts, cuja famlia dona de uma rede de sorveterias na ilha.

” agosto, ento Obama estar aqui”, disse, encolhendo os ombros. “Ns fazamos um sabor especial da semana quando o presidente vinha, mas no fazemos mais”, acrescentou.

Para Pete Wells, o crtico de restaurantes do “NYT”, as frias so uma oportunidade de esquecer as difceis reservas nos melhores restaurantes de Nova York e menus-degustao de quatro horas com coisas complicadas. Tambm uma chance para relembrar o que o fez escolher essa profisso: ele adora cozinhar.

“O jantar de hoje poder comear com as sobras de ontem, e os restos de um mao de coentro que cortei na segunda-feira podem funcionar bem na quinta”, escreveu ele. “Com uma semana inteira nas mos, encontro novamente meu ritmo na cozinha.”

Todos ns encontramos nossa prpria maneira de relaxar, mas alguns tm problemas para cortar o cordo digital.

O reprter Nick Bilton descreveu o tpico viciado em tecnologia: “No segundo em que voc pousa, verifica o celular e recebido por uma enxurrada de mensagens. Depois de uma hora sentado no hotel respondendo a e-mails de trabalho, finalmente voc vai praia. Tira seu iPad para ler um livro e, oh, tem uma mensagem no Facebook, para no falar no WhatsApp, Snapchat e Twitter. E como a praia to linda provavelmente uma boa ideia tirar um Instagram. Depois de cem tentativas de captar a melhor e mais original foto de uma praia j tirada, voc passa mais uma hora vendo quantas ‘curtidas’ sua foto recebeu”.

Uma soluo deixar o smartphone e o tablet em casa, mas muita gente usa esses equipamentos para ler revistas e livros, ouvir msica, jogar e tirar fotos. Outra abordagem colocar seus equipamentos no modo “avio” quando as frias comearem, para que voc no possa acessar a internet.

Danny Cohen, diretor de televiso na BBC, disse a Bilton que sua famlia tira duas semanas de frias anuais, sem smartphones. No caso de uma emergncia relacionada ao trabalho, disse Cohen, algumas poucas pessoas sabem em que hotel ele est e podem lhe telefonar.

“E adivinha o qu? Ningum me telefona”, relatou Cohen. “Acontece que a maioria das emergncias de trabalho no so na verdade emergncias. Pegar o telefone para perturbar as frias de um colega muito mais difcil do que enviar um e-mail.”