Destinos

10 dicas para economizar viajando

Pelas nossas experiências, é mais fácil economizar quando se tem mais tempo para viajar. Quando viajamos de férias, os dias são contados e, naturalmente, temos mais pressa para chegar aos lugares, para já ter um hotel nos esperando quando alcançamos um novo destino e etc. De qualquer maneira, enumeramos 10 dicas que podem te ajudar a economizar um pouco nas próximas viagens.

1 – Reservar hotel com muita antecedência ou somente na chegada

Arquivo pessoal

Em frente ao hotel que econtramos ao chegar em Ushongo, na TanzniaEm frente ao hotel que econtramos ao chegar em Ushongo, na Tanznia

Em frente ao hotel que econtramos ao chegar em Ushongo, na Tanzânia

Reservar o hotel com bastante antecedência (três meses antes) costuma sair mais barato, mas se as suas férias foram planejadas de última hora, é melhor esperar para reservar um hotel quando chegar ao lugar.  O que fazemos é procurar descontos em sites (booking.com, hostelworld.com ou agoda.com) e ali pegamos o endereço das acomodações com melhor custo benefício (sem reservar nada). Depois disso, damos uma volta pelo centro da cidade e batemos de porta em porta perguntando preço de quarto. No final das contas, sempre encontramos algo muito mais barato do que o que vimos na internet (muitos dos alojamentos baratos não estão listados no Google, pois não possuem websites) Caso não encontre, você já tem o endereço do hotel que buscou na internet. É só ir para lá.

Em um ano de estrada acho que reservamos com antecedência apenas um hotel e nunca tivemos problemas em encontrar lugar para dormir.

2 – Se transportando sem o intermédio de agências de viagem

Arquivo pessoal

22

Pegando transporte público no Quênia

Quando estão viajando, muitos turistas optam por ir a uma agência de viagens e comprar suas passagens. Essa opção sempre será mais cara. Procure pelo transporte que a população local utiliza.

Muitas vezes as informações para chegar a algum lugar são confusas (especialmente se tratando de sudeste asiático, África e América do Sul), mas seja persistente. Por mais que os trabalhadores da agência, ou o motorista de táxi digam que não existe outra opção, há grandes possibilidades de estarem dizendo isso somente para que você feche negócio com eles. Uma boa dica é se afastar do local onde a agência ou táxis estão localizados, ir até um bar ou restaurante e tentar puxar assunto com alguns dos moradores locais. Eles com certeza te ajudarão.

Isso acontece muito com a gente, nós pagamos preço local para pegar um barco a alguma ilha e vemos outros turistas pegando o mesmo transporte, mas pagando o dobro, porque reservaram através de uma agência de viagens.

3 – Fazer trabalho voluntário

Arquivo pessoal

33

Voluntariando no Quênia por 5 meses

Essa opção está se tornando cada vez mais conhecida entre os viajantes. Vários sites como o WorkAway, WWOOF, e WorldPackers trocam a sua força de trabalho ou conhecimento por acomodação e alimentação! Ótima maneira de economizar, conhecer locais e ainda ajudar em um projeto social interessante. 

4 – Couchsurfing

Arquivo pessoal

44

Com nosso host do Couchsurfing em Jakarta, Indonésia

Sites como o Couchsurfing, que conectam viajantes com moradores locais, são muito úteis e você fica na casa das pessoas sem nenhum gasto. É uma ferramenta que vai além do custo zero: estar num país estrangeiro com dicas de um local, faz com que você tenha um aproveitamento muito maior do lugar.

5 – Pegar carona

Arquivo pessoal

55

Pegando carona com um simpático senhor na Armênia

Essa dica não serve para todo mundo, porque muita gente tem medo. Mas colocamos esse tópico aqui para dizer que sempre viajamos dessa maneira e conhecemos outros viajantes que também são adeptos da carona (mais recentemente um cara que viajou da Polônia à Tailândia assim) e nunca ouvimos nenhum caso negativo. Por incrível que pareça, o mundo não está cheio de psicopatas prontos para te sequestrar. Longe disso. A maioria das pessoas são boas e querem mais é te ajudar. Nossas caronas quase sempre vêm acompanhadas de um convite para tomar um café, almoçar ou até mesmo dormir na casa da pessoa.

Transporte é um grande gasto no orçamento de quem viaja e pegar carona sai de graça e ainda é divertido!

Outra ideia que tem se tornado cada vez mais popular entre viajantes, é o site de caronas colaborativo Bla Bla Car. Eles estão presentes em diversos países da Europa e, mais recentemente, no Brasil também. O site conecta donos de carro que estão indo sozinhos para determinado lugar, com pessoas que precisam de uma carona para o mesmo destino. Os custos da viagem são divididos entre todos e além do conforto de um carro, sempre sai mais barato do que viajar de ônibus. Já usamos o site 5 vezes para viajar pelo Brasil. Sempre tivemos ótimas experiências que ainda nos renderam novos amigos.

6 – Acampar

Arquivo pessoal

66

Acampando em hotel localizado no topo de uma montanha no Malawi

Essa é uma das melhores maneiras para economizar, principalmente para os adeptos do free camping. Colocar a sua barraca em qualquer canto não custa nada!

Mesmo para quem não tem planos de acampar durante a viagem, é sempre bom ter uma barraca em mãos. No caso de superlotação ou preços caríssimos, você pode pedir para colocar no quintal de um hotel/hostel para utilizar as facilidades do local e ainda paga metade do preço de um quarto.

7 – Pedir para trabalhar

Arquivo pessoal

77

Rua movimentada em que trabalhamos por alguns dias na Ilha de Penang, na Malásia

Se por algum motivo as acomodações estiverem mais caras do que planejou, você pode tentar negociar com o dono do lugar para trabalhar em troca de desconto ou acomodação gratuita. Isso aconteceu com a gente em Koh Phangan, na Tailândia. Fomos parar na ilha em plena época da famosa Festa da Lua Cheia e estava impossível encontrar uma cama por menos de 20 dólares (70 reais). Quando paramos em um dos hostels, oferecemos para trabalhar no bar ou recepção do lugar em troca de desconto na nossa acomodação, e deu certo! Acabamos sendo chamados para trabalhar em uma festa que aconteceria dali a alguns dias e ainda ganhamos US$ 70 dólares (R$ 250)! Também trabalhamos na Malásia, promovendo o hostel que estávamos em troca de acomodação e umas bebidinhas a noite.

8 – Pechinchar

Arquivo pessoal

88

Em um mercado da Geórgia

Parece besteira, mas todo preço é negociável. Até mesmo quando o valor está escrito e estipulado. Imagine só: você chega tarde a um lugar, o hotel está praticamente vazio, ninguém mais vai chegar a essa hora. É melhor para o dono do hotel ter alguém se hospedando lá por um preço menor, do que não ter ninguém. Ele ganha e você ganha.

A viagem nos ensinou a pechinchar para tudo: passeios, transporte, hotel, comida, aluguel de coisas e etc. E descobrimos que quase todos os preços são negociáveis. Tudo faz parte da arte de viajar 😉

9 – Não chegar nas cidades tarde, quando já está escuro, pois assim pode pesquisar com calma

Arquivo pessoal

99

Chegando mais tarde do que o esperado em Vladivostok, na Rússia

Tente se planejar para chegar aos lugares durante o dia, pois a noite tudo fica mais difícil. Chegar a uma rodoviária à noite, com apenas taxistas ao redor, não te dá muita opção de mobilidade. Você acabará refém da situação e terá que pagar o preço pedido. O mesmo serve para procurar hotel: não dá para ficar dando voltas por uma cidade desconhecida durante a noite.

10 – Google it!

Em pleno século 21, temos a resposta para –quase– tudo na ponta dos nossos dedos. Parece óbvio, mas nem todo mundo tenta. Digite: “maneira mais barata de chegar a tal lugar” ou “acomodação barata na cidade x”.

Por Fernanda Kiehl e Tiago Ferraro, do blog Monday Feelings