Principais

Saiba como trabalhar seis meses e viajar seis meses por ano

O Projeto ViraVolta, que fala sobre transformação pessoal através de viagens longo prazo, sempre posta realidades de outros viajantes que podem inspirar outras pessoas a viver essa experiência.

Carol Fernandes, fundadora do projeto, diz que durante a sua viagem de 2 anos pelo mundo conheceu muitos viajantes que trabalhavam apenas 6 meses em seus países e ficavam os outros 6 meses do ano viajando e nenhum deles era rico. Eles administravam suas vidas para que a grana recebida em 6 meses cobrisse os custos do ano inteiro, incluindo a viagem.

Tem uma viajante brasileira que está tentando implementar esse estilo de vida e a ViraVolta a convidou a compartilhar sua experiência. E não perca as dicas ao final do post. Amanda Barbosa, do blog Por Uma Vida Mais Rica, tem 31 anos e já está no segundo ano do seu novo estilo de vida.

Crdito foto: Amanda Barbosa (via ViraVolta)Crdito foto: Amanda Barbosa (via ViraVolta)

Texto de Amanda Barbosa:

Há dois anos, depois de passar por uma grande perda na minha família, posso dizer que comecei um processo de “despertar”, o que me fez repensar se de fato estava feliz com a vida que eu levava. Pude enxergar que ao invés de viver, eu estava apenas sobrevivendo, e assistindo a vida passar ali, através da janela do meu trabalho. Percebi que havia deixado muitos sonhos para trás por conta do comodismo e medo de arriscar.

Eu era uma pessoa “comum”, morava em São Paulo, tinha um trabalho de segunda a sexta com um salário razoável que me permitia fazer as coisas que eu gostava, porém eu sentia que faltava algo. Foi então que resolvi deixar tudo para trás para ter a experiência de morar fora do país durante seis meses no ano de 2014, na Inglaterra, coisa que sempre tive vontade de fazer, mas que acabava adiando pelo medo do novo.

Claro, que depois dessa experiência nunca mais fui a mesma, então de volta ao Brasil, estava decidida a ter uma vida diferente daquela que eu costumava ter antes da viagem, e já comecei a planejar a minha segunda aventura, dessa vez na California, onde estou atualmente.

Para conseguir ter essa flexibilidade de viajar por longos períodos, eu comecei a trabalhar como freelancer, porém, ao contrário do que parece, trocar um emprego fixo pela instabilidade de não saber qual será o meu salário no final do mês não foi uma decisão muito fácil, visto que tive que abdicar de muitas coisas para baixar o meu custo de vida nesse começo do recomeço. A primeira coisa que eliminei foi a minha casa, para que pudesse diminuir ao máximo meu custo fixo mensal, e assim economizar para viajar mais. Quando fico no Brasil, minha base é a casa da minha mãe, que fica em Santos – SP e quando tenho que ir a São Paulo a trabalho, fico em casa de amigos, e caso precise de mais tempo por lá, alugo um quarto através do AirBnB.

Minha meta é ficar de seis a oito meses no Brasil entre uma viagem e outra, para que assim eu possa levantar dinheiro suficiente para o próximo destino, e é o que tenho feito. Assim que voltei da Europa em novembro de 2014, passei os últimos seis meses trabalhando como freelancer na área de produção de eventos, e parti para a California, onde estou vivendo atualmente.

Para conseguir viajar mais barato, e durante longos períodos, eu incorporei ao sistema work exchange, ou turismo colaborativo, onde trabalha-se em troca de casa e comida, com isso meus gastos são apenas para o meu divertimento e despesas básicas como shampoo, roupas, remédios, etc.

Geralmente eu planejo juntar uns 9 mil reais para cada viagem de cerca de 4 meses, mas se eu não consigo basta adequar o estilo de viajar ao meu bolso. Nessa viagem atual na Califórnia, em um mês eu gastei apenas 650 reais usando o turismo colaborativo mais 1.500 reais com a passagem de ida e volta. Prova de que não é preciso muito dinheiro para viver experiências assim.

Ter esse estilo de vida é também abrir mão de muitas coisas e confortos como a cama quentinha, o travesseiro macio e os amigos perto a todo momento. É preciso estar aberto a receber o que as pessoas estão dispostas a te oferecer e ser grato por isso, o que só tem me feito perceber o quanto sair da zona de conforto tem servido com uma verdadeira escola para mim, principalmente pela prática do desapego, onde minha casa virou apenas uma mala e meu computador.

Confesso que por algumas vezes parei e pensei se o que tenho feito está errado ou se tudo não passa de uma grande loucura… Como assim não ter uma residência fixa, plano de ter uma carreira corporativa ou um carro na garagem? Essas são algumas perguntas que me assombram em alguns momentos, porém, quando começo a considerar a idéia de voltar a ter a vida “normal” de antigamente, não consigo sentir o mesmo brilho nos olhos que tenho com a vida que levo hoje. Hoje consigo perceber o quão feliz eu sou assim desse jeito “meio diferente”, e é isso que me faz ter a certeza de que estou seguindo o caminho certo.

Hoje posso dizer que sou muito mais rica no meu estilo de vida. Não me dou ao luxo de comprar roupas novas todo mês e muito menos de jantar fora toda a semana, como eu costumava fazer, mas sinto-me muito mais completa pela flexibilidade que tenho nas minhas escolhas, e em poder viajar por longos períodos, não mais apenas durante as minhas férias de trinta dias.

Hoje, muito mais do que ter uma conta bancária cheia de dinheiro, a minha prioridade é a liberdade, é poder estar onde eu quiser e com quem eu quiser, às vezes até sofrer as consequências disso, porém, consciente de que sou dona das minhas escolhas e do meu TEMPO!.

DICAS PARA TRABALHAR 6 MESES E VIAJAR 6 MESES POR ANO

Como se preparar:

  • Abra a sua mente para um estilo de vida completamente diferente ao que você está habituado. Pois isso pode significar não ter mais um salário fixo todo mês.
  • Avalie se a sua profissão não permitiria você viver esse estilo de vida. Não pela função e empresa que você trabalha hoje, mas por todas as outras oportunidades que o mercado pode oferecer.
  • Comece a buscar oportunidades que te permitam viver esse estilo de vida e experimente.
  • Reveja o seus custos fixos. Lembre-se, enquanto você estiver viajando vai ter que arcar com eles, então melhor otimizar ao máximo.
  • Faça o seu planejamento financeiro: afinal quantos meses você vai precisar trabalhar para bancar o seu ano todo incluindo a viagem? Tudo vai depender dos seus custos fixos, do quanto você ganha e do quanto você pretende gastar durante a viagem.

Pense em soluções para a sua moradia na sua base:

  • Você estaria disposto a abrir mão da sua casa e ficar na casa dos seus pais ou alternando a sua base enquanto está de volta?
  • Você tem uma casa própria? Então porquê não alugar no Airbnb enquanto você estiver viajando?
    Você aluga? Porque então não dividir a sua casa/apê com outra pessoa e alugar o seu quarto para um conhecido durante o período que vai estar fora?

Viajando barato:

  • O turismo colaborativo é melhor forma de deixar a viagem barata e ainda assim oferecer uma experiência incrível.
  • Sites de work exchange que eu recomendo: wwoof, workway, helpex, worldpackers. Basta se cadastrar e procurar pelos locais desejados.
  • Lembre-se, o objetivo não é gastar a sua grana com supérfluos na viagem, mas sim interagir com a cultura local, conhecer novos lugares e viver experiências incríveis.

Se preparando para o trabalho na volta:

  • Geralmente, faltando uns quinze dias mais ou menos para a minha viagem terminar, já começo a entrar em contato com meu circulo pessoal e profissional para que saibam que estou disponível para trabalhar novamente como freelancer.
  • Participo de grupos no Facebook direcionados para esse ramo, onde ajudam nessa divulgação.
  • Atualmente, existem alguns websites que contratam freelancers e que não é necessário nem sair de casa para realizar as tarefas. São eles: 99jobs, Trampos.

Você também sonha em viajar o mundo? Conheça todas as dicas da ViraVolta.

Conheça mais sobre o Projeto ViraVolta e fique conectado: Site, Facebook, Youtube, Twitter e Pinterest