Principais

Palácios do Brasil estimulam o turismo cultural

O Brasil tem mais de 200 palácios que ajudam a relembrar as raízes do período imperial. Eles também atuam como atrativos turísticos àqueles que viajam interessados em desvendar a trajetória de personalidades famosas que marcaram o país.

Em uma das ruas mais antigas da cidade de Petrópolis (RJ), por exemplo, está o palácio onde viveu a Princesa Isabel e seu marido, o Conde D’eu.

Arquivo/Iphan

Arquivo/IphanArquivo/Iphan

Palácio onde morou a Princesa Isabel, em Petrópolis (RJ)

A prefeitura da cidade também funciona em um palácio, o Sérgio Fadel, residência do ex-presidente Campos Sales, construído em 1872 e tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Alguns destes palácios constam em um estudo inédito da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), que mapeou 492 monumentos que contribuem para a compreensão da cultura brasileira em diferentes épocas de sua história, muitos deles atrações turísticas locais.

Entre as 22 categorias mapeadas, destacam-se árvores antigas, cemitérios, jardins, praças, casarões e palácios, de acordo com a historiadora Cristiane Magalhães, autora da pesquisa.

Na lista de palácios que fazem parte do patrimônio brasileiro ainda está o palacete do Batel, em Curitiba, com arquitetura inspirada em modelos franceses da época e uma torre romântica. De acordo com a Secretaria de Cultura do Paraná, a construção foi erguida entre 1912 e 1914 para ser a moradia de Ildefonso Rocha e família, segundo o projeto do arquiteto René Sandrensky.

A cultura brasileira é um dos grandes atrativos para quem viaja pelo país. Com um número cada vez maior de edificações tombadas pelo patrimônio histórico, além de manifestações sociais e religiosas, é cada vez mais fácil encontrar quem planeje as férias desejando visitar um destino referência em cultura.

Por Gustavo Henrique Braga, do MTur