Há duas regiões de vinho que fazem 110 anos. E estas são as …

Esta podia ser uma terça-feira normal. E para muitos até será. Mas há duas regiões de vinho no país que estão de parabéns. Há 110 anos, o rei D. Manuel II assinava a Carta de Lei de 18 de setembro que permitiu a demarcação do Dão e dos Vinhos Verdes, para tentar impulsionar o zone vinícola nacional, numa altura em que os licorosos do Douro já levavam anos de avanço e de reconhecimento. Em jeito de celebração, traçamos o perfil de ambas as regiões e apresentamos algumas propostas de enoturismo, de quintas seculares e históricas a outras bem mais recentes e modernas.

Falar no Dão é falar em vinhos elegantes e equilibrados, sem demasiada cor ou demasiado álcool. Aromáticos também. Com potencial de guarda por causa dos taninos e frescos na boca. Arlindo Cunha, presidente da CVR do Dão, traça o perfil dos vinhos tendencialmente gastronómicos que, em tempos, não encontravam concorrência de maior. A política agrícola imposta pelo Estado Novo — que olhava para o vinho como um alimento agrícola, sendo, por isso, vendido mais barato — e a entrada na CEE — que permitiu a regiões como o Alentejo converter muitos hectares em vinha –, no final dos anos 1980, contribuíram para que a região sofresse um impacto negativo e demorasse a reagir. Diz Arlindo Cunha que, à data, o Dão “não estava habituado a concorrência no segmento de vinho de qualidade”. O Dão emergiu assim que os produtores de maior e média dimensão arregaçaram as mangas e começaram a reestruturar as vinhas: foram plantadas vinhas novas, trabalhadas exposições diferentes e as castas típicas da região jamais foram abandonadas. “Temos 64 castas que estão cá há muitos anos”, explica ao Observador. Uma nova geração de profissionais também contribuiu para o progresso. “A pouco e pouco, o Dão saiu do fundo do poço e o consumidor foi-nos descobrindo.” Há dois tipo de uva que servem de bandeiras. A muito conhecida touriga nacional, nas castas tintas — que, segundo Arlindo Cunha, vem de uma aldeia chamada Tourigo, no Dão — e a malvasia e o encruzado, nas brancas. O encruzado, muito mineral, está a ser alvo de um cada vez maior interesse pelos críticos e consumidores, devido à sua versatilidade quando à mesa e à capacidade de guarda.

O Dão em números:

  • existem cerca de 20.000 hectares de vinha para 16 mil produtores
  • há quatro adegas cooperativas na região, de dimensão razoável, que representam cerca de 40% de toda a produção
  • o Dão divide-se em 7 sub-regiões e produz anualmente entre 30 a 40 milhões de litros, metade é vinho certificado
  • cerca de 40% dos vinhos certificados são exportados para 74 mercados, incluindo 26 países da União Europeia
  • nos últimos quatro anos assistiu-se a um aumento de 45% de vinho certificado
  • entre janeiro e agosto de 2018, as vendas do vinho certificado cresceram 12% em relação ao período homólogo do ano passado
  • em 2018, devido à primavera muito chovosa e ao escaldão na primeira semana de agosto, ter-se-á perdido entre 20 a 25% da produção.

Quando foi demarcada, em 1908, epoch essencialmente uma região de vinhos tintos — nos anos 60-70, já no fim do século XX, a região descobriu os vinhos brancos. “No passado, os vinhos verdes eram mais ácidos e menos alcoólicos. Hoje, são mais redondos e apresentam uma riqueza muito maior de aromas, correspondendo às castas que foram plantadas, o loureiro e o alvarinho”, diz Manuel Pinheiro, da CVR dos Vinhos Verdes. Mais mudanças foram acontecendo ao longo do tempo: se antigamente os vinhos verdes eram tradicionalmente consumidos pelos minhotos, atualmente o mercado está muito mais recetivo. Uma questão de adaptação e reinvenção. “Os primeiros anos da região foram muito difíceis. Havia uma legislação que dava privilégios ao Douro, que colocou dificuldades aos Vinhos Verdes. Esses privilégios andaram até meio do século XX. A entrada na CEE foi marcante: passámos a ter apoios generosos para as vinhas e regras específicas para a denominação de origem”, continua. Mais recentemente assistiu-se a outra transformação, desta vez a load dos produtores, que apostaram em mudar a rotulagem dos vinhos e em desenvolver uma cultura de exportação que trouxe implicações económicas. Já antes Manuel Pinheiro explicou ao Observador como o vinho verde é “único”: é um vinho gastronómico, sem dúvida, resultado de uma feliz combinação — influência marítima, solo granítico e castas típicas. O clima, marcado pela ausência de verões muito quentes e de invernos muito frios, também contribui para a equação.

Os Vinhos Verdes em números

  • existem cerca de 15 mil produtores para 16 mil hectares
  • os Vinhos Verdes distribuem-se ao longo de 9 sub-regiões
  • no primeiro semestre de 2018, os vinhos foram exportados para 102 países;
  • as exportações aumentaram 5% em bravery e 4% em volume face ao período homólogo e assistiu-se à diversificação de mercados
  • em 2018, estima-se que haja uma perda de produção na ordem dos 20%, também devido às situações climatéricas

Percorra a fotogaleria para conhecer 5 quintas no Dão e 5 quintas nos Vinhos Verdes que pode visitar.

Article source: https://observador.pt/2018/09/18/ha-duas-regioes-de-vinho-que-fazem-110-anos-e-estas-sao-as-quintas-que-pode-visitar/

Pin It

Comments are closed.