Sem categoria

Fotógrafo mineiro percorre parte da América do Sul de bike

O livro “As Veias Abertas da América Latina”, do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano, foi a fonte de inspiração para o fotógrafo mineiro Bernardo Salce, 31 anos, para ir da Colômbia ao Uruguai, passando por Ushuaia, de bike.

A aventura começou no dia 21 de março na cidade de Bogotá. Desde então, Bernardo  já pedalou quase 2.000 km pela Colômbia, passando por lugares como Villa de Leyva, Barichara, Medellín, Manizales, Salento e o incrível deserto de Tatacoa.

11140000_1120425461329441_741784420648142093_n11140000_1120425461329441_741784420648142093_n

“Foi durante aquele processo de descoberta, a cada página [do livro de Eduardo Galeano], que tive a ideia, que nasceu em mim o desejo de explorar o nosso continente, numa bicicleta”, diz Bernardo Salce.

O próximo destino de Bernardo é o Equador, onde deve chegar nos próximos dias. “Pretendo colaborar de alguma forma nos esforços de reconstrução e assistência às vítimas nas áreas atingidas pelo recente terremoto, antes de percorrer o país e descobrir suas belezas culturais e naturais, o que deve levar entre 45 e 60 dias”, conta o fotógrafo mineiro.

1934581_1124550647583589_7664150247577001886_n1934581_1124550647583589_7664150247577001886_n

Bernardo conta que viaja sozinho, mas há cerca de duas semanas está pedalando com um casal canadense que conheceu na pacata cidade de Salento. “Muito provavelmente, seguiremos juntos até Quito”.

Para realizar a viagem, Bernardo conta que juntou as economias do trabalho como fotógrafo no Camboja, onde morou nos últimos dois anos. “Não tenho nenhum suporte externo, nem patrocínio. Estou preparado para, se necessário, trabalhar ao longo do caminho, não importa com o que”.

13001220_1138787332826587_6700786798112824805_n13001220_1138787332826587_6700786798112824805_n

Segundo ele, as rotas vão se definindo a partir de conversas com moradores, dicas de ciclistas locais ou outros que estejam também viajando de bicicleta. “Quero me manter livre, sempre abraçando a serendipidade”.

A preferência é por estradas e rotas que permitam conhecer pequenos povoados, zonas rurais, vilarejos pouco conhecidos.

“O destino final é Montevidéu, passando por Ushuaia, mas o exato caminho até lá…Está ainda para ser descoberto…” A aventura de Bernardo pode ser acompanhada pelo Facebook.

12036483_1153017688070218_5037589907680786118_n12036483_1153017688070218_5037589907680786118_n

O livro “As Veias Abertas da América Latina”, do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano, foi a fonte de inspiração para o fotógrafo mineiro Bernardo Salce, 31 anos, para ir da Colômbia ao Uruguai, passando por Ushuaia, de bike.

A aventura começou no dia 21 de março na cidade de Bogotá. Desde então, Bernardo  já pedalou quase 2.000 km pela Colômbia, passando por lugares como Villa de Leyva, Barichara, Medellín, Manizales, Salento e o incrível deserto de Tatacoa.

11140000_1120425461329441_741784420648142093_n11140000_1120425461329441_741784420648142093_n

“Foi durante aquele processo de descoberta, a cada página [do livro de Eduardo Galeano], que tive a ideia, que nasceu em mim o desejo de explorar o nosso continente, numa bicicleta”, diz Bernardo Salce.

O próximo destino de Bernardo é o Equador, onde deve chegar nos próximos dias. “Pretendo colaborar de alguma forma nos esforços de reconstrução e assistência às vítimas nas áreas atingidas pelo recente terremoto, antes de percorrer o país e descobrir suas belezas culturais e naturais, o que deve levar entre 45 e 60 dias”, conta o fotógrafo mineiro.

1934581_1124550647583589_7664150247577001886_n1934581_1124550647583589_7664150247577001886_n

Bernardo conta que viaja sozinho, mas há cerca de duas semanas está pedalando com um casal canadense que conheceu na pacata cidade de Salento. “Muito provavelmente, seguiremos juntos até Quito”.

Para realizar a viagem, Bernardo conta que juntou as economias do trabalho como fotógrafo no Camboja, onde morou nos últimos dois anos. “Não tenho nenhum suporte externo, nem patrocínio. Estou preparado para, se necessário, trabalhar ao longo do caminho, não importa com o que”.

13001220_1138787332826587_6700786798112824805_n13001220_1138787332826587_6700786798112824805_n

Segundo ele, as rotas vão se definindo a partir de conversas com moradores, dicas de ciclistas locais ou outros que estejam também viajando de bicicleta. “Quero me manter livre, sempre abraçando a serendipidade”.

A preferência é por estradas e rotas que permitam conhecer pequenos povoados, zonas rurais, vilarejos pouco conhecidos.

“O destino final é Montevidéu, passando por Ushuaia, mas o exato caminho até lá…Está ainda para ser descoberto…” A aventura de Bernardo pode ser acompanhada pelo Facebook.

12036483_1153017688070218_5037589907680786118_n12036483_1153017688070218_5037589907680786118_n