Sem categoria

E você, já está usando o aplicativo do momento, o Sarahah?

Créditos: Reprodução/Sarahah

O Sarahah é o aplicativo gratuito mais baixado do momento do Brasil e nos Estados Unidos

Ele é simplesmente o aplicativo mais baixado do momento no Brasil e em alguns outros países do mundo. Mas você já ouviu falar do Saharah e sabe qual é a sua funcionalidade?

Para quem ainda não aderiu à moda, o Saharah funciona como uma rede social qualquer, mas com uma grande diferença: as pessoas interagem com você de forma anônima, sem se identificarem.

A ideia é que, com o anonimato, as pessoas sejam mais honestas ao fazer uma crítica sem que você saiba quem elas são. Mas, cuidado, não vale praticar o cyberbullying ou desrespeitar o coleguinha!!!

Apesar da moda atual, o Saharah não é o único, nem o primeiro, aplicativo a ter essa premissa. A diferença entre ele e os “antigos” Formspring, ASKfm, Curious Cat é que o Sarahah não permite que o dono do perfil responda a perguntas ou ao comentário anônimo. Ele pode apenas visualizá-lo, como no antigo “Secret”, que foi descontinuado em 2015 após acusações de incentivar o cyberbullying.

O aplicativo foi desenvolvido por um árabe,  Zain al-Abidin Tawfiq. Segundo do site oficial do aplicativo, ele traz como benefício melhorar “sua amizade ao descobrir seus pontos fortes” e “deixar seus amigos serem honestos com você”.

A ferramenta também foi lançada com o objetivo de ser útil no ambiente de trabalho, deixando os colegas livres para enviar críticas e elogias de maneira mais honesta e confidencial, evitando constrangimentos.

Para fazer parte da nova moda virtual, é preciso que o usuário baixe o aplicativo nas lojas dos sistemas operacionais Android e iOS, ou entrar na sua versão para a web.

Com o aplicativo baixado, o usuário deve criar uma conta com e-mail e nome para mandar e receber mensagens. Ao entrar na rede social, basta buscar o nome da pessoa para então fazer o comentário. É possível também bloquear os usuários que fizeram comentários que você não gostou.

  • Leia mais:

Saiba como agir em caso de ataques de ódio na internet