Destinos, Principais, Trade, Viagem

Conheça e se encante com a beleza escondida da Lagoinha do Leste, em Florianópolis (SC)

*Viagem feita por Julia Paiva – todos os conteúdos foram disponibilizados no Instagram do Portal @midia.turis

A viagem para Florianópolis não poderia ter começado de um jeito mais surpreendente. Pela primeira vez, estava em uma das cidades que sempre tive um desejo imensurável em conhecer. E bastou algumas buscas para firmarmos que o destino ideal seria a tão temida, deserta e – por muitos – desconhecida Lagoinha do Leste. Todo mundo deseja conhecer uma das mais belas praias da Ilha da Magia, entretanto, descobri-la em meio à mata Atlântica não é tarefa fácil. 

Há duas trilhas que te levam até a praia. Paramos o carro em um estacionamento localizado no começo de uma delas e pagamos R$5,00 pela diária. Como já estávamos lá, optamos em fazer o caminho mais curto, que dura em torno de 1 hora e meia e começa na comunidade de pescadores do Pântano do Sul – a outra opção é ir pela praia do Matadeiro, porém, apesar de ter vistas mais bonitas, a caminhada gira em torno de 3 horas e como o relógio já marcava meio dia, ficava inviável.

O caminho contém subidas extremamente íngremes, todavia, depois de aproximadamente 1 hora, você chega até o topo e o mar (finalmente) dá as caras. O cenário é perfeito para apreciar a vista, tirar algumas fotos e abastecer o fôlego. A partir daí, apenas descida: cuidado pra não se machucar e escorregar nos seixos.


Vista da Lagoinha do Leste pela trilha saindo do Pântano do Sul | Foto: Julia Paiva

Vista da Lagoinha do Leste pela trilha saindo do Pântano do Sul | Foto: Julia Paiva

Ao pisar na areia fofa e branquinha nos demos conta que todo o esforço tinha valido a pena. A paisagem realmente nos surpreendeu e mostrou o quanto a natureza é sagrada. A extensa faixa de areia separa o mar agitado com águas claras de um riacho que forma uma lagoa extraordinária, perfeita para banho. Esta junção de mar, areia e lagoa resultam em um cenário incrível.

Junção entre mar, areia e lagoa. Vista da Lagoinha do Leste quando feita a trilha pela praia da Armação | Foto: Felipe Martins (@fcauby)

Além disso, por ser uma praia deserta, não há quiosques como nas comerciais e é recomendado levar comida – para falar a verdade, vi dois quiosques, mas com poucas opções no cardápio. Como fomos apenas durante a tarde, não levamos praticamente nada para comer, apenas beber, porém, se for para acampar, não deixe de levar.

Outra coisa que me chamou bastante a atenção foi o fato de sermos responsáveis pelo nosso lixo – isso deveria não ser só em praias reservadas, mas em todos os lugares. Todo lixo que vai, tem que voltar junto com você. Nada mais justo, a natureza, os animais e o meio ambiente agradecem.

Placas de informação e  conscientização na Lagoinha do Leste |  Foto: Julia Paiva

Para finalizar, como estávamos com muito peso, resolvemos voltar da única forma sem ser pelas trilhas! No verão, barqueiros fazem o translado e você pode pegar tanto da praia do Pântano do Sul, como da praia da Armação. O que era para ser apenas uma “carona” acabou virando um passeio de barco incrível devido às paisagens fantásticas que ele proporciona.

O nosso pequeno passeio terminou na praia do Pântano do Sul. Aproveitamos para comer e apreciar um pôr do sol incrível.

Pôr do Sol na praia do Pântano do Sul | Foto: Julia Paiva

Onde ficar?

Se você não gosta de acampar ou foi no impulso, sem preparo e não sabe onde dormir (como nós), a dica é a Pousada do Pescador, que fica aproximadamente a 50 metros da praia do Pântano do Sul. Conseguimos de última hora, por um preço mais em conta do que outras hospedagens, uma kitnet lindíssima e super confortável. Para completar a estadia, pudemos usufruir da piscina climatizada e ainda descansar sossegados em torno de muito verde – o que deixa a pousada ainda mais harmoniosa. (O preço para 2 pessoas é de aproximadamente R$250,00).

Foto: Pousada do Pescador 

Dicas rápidas:

Viajar para Florianópolis e conhecer a Lagoinha do Leste com certeza foi uma das experiências de mais aprendizado, então, aí vai algumas dicas:

– Leve uma mochila pequena e tente não colocar muito peso nela por conta das trilhas que demandam bastante esforço físico;

– Vá de bota ou tênis antiderrapante, além de roupas confortáveis;

– Boné, repelente, protetor solar, toalha e roupas de banho não podem faltar da mochila;

– Leve água e comida;

Duração até a praia: De 1:30 à 2:00,dependendo da intensidade e limite de cada um;

Dificuldade: pesado;

Percurso: 2.361 metros.

Ademais, a Lagoinha do Leste ganhou o selo de qualidade MídiaTuris, vale todo o esforço e a experiência!

Sobre o autor

Jornalista apaixonada por viagens, histórias e culturas a fim de desvendar os mistérios dos mais diversos mundos.