Sem categoria

Como um cobrador de ônibus virou um dos mas bem-sucedidos …

xmlns=”http://www.w3.org/1999/xhtml” lang=”pt-br” xml:lang=”pt-br”

<!–start Facebook Open Graph Protocol–


<!–

–><!–

–>Como um cobrador de ônibus virou um dos mas bem-sucedidos empresários do turismo de lazer

<!–

SECULODIARIO.COM

–>

<!––>

<!–

LEGATUS

–>

<!–

Compartilhe

–>

 

<!– google +1 —

<!– Coloque esta tag onde voc deseja que o boto +1 seja renderizado —

<!– Coloque esta chamada de renderizao conforme necessrio —

window.___gcfg = {lang: ‘pt-BR’};

(function() {
var po = document.createElement(‘script’); po.type = ‘text/javascript’; po.async = true;
po.src = ‘https://apis.google.com/js/plusone.js’;
var s = document.getElementsByTagName(‘script’)[0]; s.parentNode.insertBefore(po, s);
})();


<!–

Breaking News

  • Lorem ipsum dolor sit amet et dolor adolescens sitEa cum tation populo dolores, ex modo falli oblique sit oblique sit. Sed cu omnium debitis qualisque…
  • Alia corpora ea vim, te erant viris bonorum sit, ei doming prompta visEa cum tation populo dolores, ex modo falli oblique sit oblique sit. Sed cu omnium debitis qualisque…
  • Nam in mundi tractatos, audire atomorum qualisque ea eosEa cum tation populo dolores, ex modo falli oblique sit oblique sit. Sed cu omnium debitis qualisque…

–>

Como um cobrador de ônibus virou um dos mas bem-sucedidos empresários do turismo de lazer

<!–Como um cobrador de nibus virou um dos mas bem-sucedidos empresrios do turismo de lazer–>

Em 1994, Valdeir Nunes dos Santos (foto acima), mais conhecido como China, resolveu deixar sua rede de lojas de ferramentas, a famosa China Tem, para transformar o sítio da família, em Domingos Martins,  no Parque do China. Naquele época, ele ainda não pensava no turismo com o viés empreendedor. Sua intenção era entrar em um novo negócio. “A minha origem é do interior. Vim para Vitória nos anos de 1970 e comecei a minha vida como cobrador de ônibus. Depois fui vendedor de ferramentas e acabei montando, em Vitória, uma rede de lojas. Alguém se lembra do China Tem?, pergunta o empresário: “Vocês são muito jovens, não devem lembrar”, brinca.  A estrutura chama atenção do visitante. Um projeto que se tornou grandioso e que se firma no turismo de montanha, usando duas potencialidades da região de Domingos Martins: o clima frio e a gastronomia. “No sentido de divulgação da região nós, empresários locais, hoteleiros e de turismo, temos parcerias. Cada um tem o seu projeto e negócio, mas dialogamos quando pensamos na região. Se a região cresce, esse crescimento se refletirá para todos os nossos negócios. Afinal, um cliente quando vem para as áreas das montanhas não vem só aqui no China Park, ele frequenta outros locais também e é isso que trabalhamos, a divulgação da região como um ambiente turístico de qualidade”, explica empresário. 

<!–

Sobre o autor

Ir para o topo
Mais artigos do autor

<!– BEGIN .main-nosplit

Orange-Themes

Lorem ipsum dolor sit amet, eu altera suscipit suavitate vix. Cum reformidans consectetuer ei, his melius legimus constituam at. Duo cu sale dignissim, et noluisse luptatum has. In aeque nominati theophrastus has, vel id labore sententiae, et prima aliquip nec. Et qui nominati complectitur.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

<!–

  1. Ignasi Cleto
    April 25, 12:53

    Usu inani perfecto quaestio in, id usu paulo eruditi salutandi. In eros prompta dolores nec, ut pro causae conclusionemque. In pro elit mundi dicunt. No odio diam interpretaris pri.

    Reply to this comment

–>

<!– BEGIN .main-nosplit —

<!– BEGIN .banner —

<!–

Publicidade

<!– END .banner —












Designed by 7Sistemas