10 expressões que aprendi dando a volta ao mundo com um mineiro

Nara Alves deu a volta ao mundo com seu namorado, um mineiro. Essa viagem rendeu dois frutos: o livro “66 histórias de uma volta ao mundo”, e o aprendizado do idioma “mineirês”.

Juntando tudo isso, Nara fará uma palestra sobre a viagem, com direito ao lançamento do livro, em Belo Horizonte, neste sábado dia 20/05, às 14h, na Livraria Leitura do BH Shopping.

E sobre o “mineirês”, confira o que a escritora viajante aprendeu dessa saborosa língua.

Créditos: Arquivo pessoal

Nara e Bernardo em Amsterdã, na Holanda

Os mineiros fizeram, muito antes dos países lusófonos, a reforma ortográfica do português. No mineirês, por exemplo, são proibidas frases com mais de três sílabas. Eu, como alguém crescida e criada na capital paulista, vim a aprender o dialeto mineirim já na fase adulta, durante a volta ao mundo que fiz com meu namorado Bernardo, que é de Conselheiro Lafaiete.

1 – Áiói é o tempero que mais usamos durante a viagem, além de sal e pimenta. Não fizemos as contas, mas, macarrão ao áiói certamente foi o prato que mais comemos ao longo do ano.

2 – Massagado é como ficava tudo que enfiávamos dentro das mochilas. Uma dica é pendurar as roupas num cabide durante o banho quente para o vapor desmassagar a roupa.

3 – Oncotô e proncovô são perguntas feitas em situações recorrentes quando se está há meses pingando de lugar em lugar. Chega uma hora que não se sabe onde está nem pra onde ir.

4 – Ôns é o meio de transporte público mais econômico em todos os lugares do mundo. Nem sempre é o mais rápido ou o mais confortável. Mas é o mais barato, muito provavelmente.

Créditos: Arquivo pessoal

Bernardo (e uma criança fofa) no Nepal

5. Mi é uma das palavras do mineirês mais amplamente utilizadas. Possui variações como miará, spigadimi, bolodimi e midipipoca.

6 – Répálá é a forma como o mineiro lhe pede mais espaço. Como se você fosse um móvel que precisasse ser arrastado, afastado ou colocado em outro canto.

7 – Garrado é o adjetivo que define o trânsito caótico das capitais de praticamente todos os países subdesenvolvidos do mundo. Em geral, é usado assim: “nú! tágarrado!”.

8 – Passeio é o local por onde o mineiro caminha, também conhecido como calçada. Quando o passeio tágarrado, vai pela rua, mesmo.

Créditos: Arquivo pessoal

Nara e Bernardo na Grande Muralha da China

9 – Dintirim é uma medida de tempo usada para qualquer atividade que dure muito tempo, mesmo que, na realidade, não dure o dia inteiro.

10 – Zóidacara é o quanto custa todas as coisas que custam mais do que o custo em Minas Gerais.

Imagem AutorImagem Autor

+ posts do autor

Rede Viagem Livre

Este conteúdo – assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios – é de responsabilidade do usuário da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Article source: https://viagem.catracalivre.com.br/geral/mundo-viagem/indicacao/10-expressoes-que-aprendi-dando-volta-ao-mundo-com-um-mineiro/

Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *